Total Shares 62

ENTREVISTA: RICARDO GABRIEL, futuro aluno da Tias Business School!

Olá Ricardo! Antes de mais obrigada por tirares algum do teu tempo para responder a estas perguntas.

 

Relacionado: relato de um estágio de Verão na McKinsey!

 

1. Antes de mais, queria começar por pedir que nos falasses um pouco de ti. (De onde és, idade, onde estudaste/estudas).

RESPOSTA: O meu nome completo é Ricardo Filipe Duque Gabriel, tenho 20 anos e venho da Vila de Maceira, concelho de Leiria. Apesar de ter feito todo o meu percurso de estudos no Agrupamento de Escolas Henrique Sommer, fiz o meu secundário na Escola Secundária Domingos Sequeira, curso Científico-Humanístico em Ciências e Tecnologias. Apesar de adorar as temáticas de Biologia, Geologia, Física e Química era na área de economia e empreendedorismo onde me sentia bem, exemplos claros disso são dados pelo meu envolvimento no Parlamento dos Jovens ou como o 3º lugar conquistado no ISCTE Investment Game.

Atualmente, integro o 3º Ano da Licenciatura em Economia na Nova School of Business and Economics (a partir de agora Nova SBE) e não podia estar mais satisfeito com todas as minhas experiências: sendo uma das mais importantes o meu “Exchange Programme” em Los Angeles na University of Southern California!

Captura de ecrã 2016-06-05, às 17_opt

2. Como tem sido o teu percurso na Nova? O curso tem correspondido às tuas expectativas?

RESPOSTA: A Nova SBE permite-me estar ao nível dos alunos das melhores faculdades de economia da Europa e, consequentemente, do Mundo e prova disso é ter sido aceite para prosseguir os meus estudos na área de Economia numa Universidade Holandesa, também presente entre as melhores do Mundo.

Uma componente analítica muito forte que nos torna implacáveis na arte do raciocínio e lógica aliada a uma componente crítica e interpessoal desenvolvida durante as longas horas de debates em trabalhos de grupo são algumas das características mais importantes que tenho vindo a desenvolver nos últimos 3 anos, e que espectaculares têm sido estes 3 anos. A licenciatura superou as minhas expectativas pela positiva o leque de cadeiras que oferece são maioritariamente indispensáveis a uma boa formação.

No entanto, a Nova SBE necessita de algumas melhorias tanto fisicamente: como as infra-estruturas onde temos aulas e as poucas salas de estudo disponíveis, como o curso de Economia em si faltam mais cadeiras focadas para o debate e aplicação das teorias que estudamos aprofundadamente.

 

Relacionado: Como é viver na Coreia do Sul? E ir a Itália fazer Erasmus em Pisa?

 

3. Estás inserido em algum tipo de grupos académicos?

RESPOSTA: Algo que sempre fez parte de mim foi ser social/comunitariamente ativo:

Entrei para a ForTuna (Tuna Académica da Nova SBE) assim que entrei no curso de Economia e não podia estar mais satisfeito com a minha decisão. Neste momento sou o actual ensaiador e membro do Conselho Musical – desde Conselhos de Logística à Tesoureira, temos uma grande estrutura que suporta todas as nossas actividades – só assim conseguimos crescer em termos musicais e em termos de espírito e amizade. Somos verdadeiros embaixadores da Nova SBE e dos valores que ela representa.

Desde 2015 que faço parte do Nova Economics Club (NEC) onde além de ter um contributo para a newsletter mensal que publicamos, faço parte de um grupo de investigação na temática dos mercados de trabalho (e antes nos mercados de habitação), sendo esta última uma parceria com a Comissão Europeia. Também fui representante dos alunos no Conselho Pedagógico e fiz parte da Associação de Estudantes (Nova SU) durante um ano, de lá trago todo um espírito de trabalho de grupo e camaradagem invejável.

Queria também deixar uma palavra de apreço ao apoio crescente (embora não suficiente) a todas as associações e clubes que a Nova SBE tem vindo a facultar nestes 3 anos de licenciatura.

4. O que te levou a querer fazer parte da tuna? Quais os teus melhores momentos?

RESPOSTA: O mundo da Música acompanha-me desde os meus 9 anos e a ForTuna (http://tunafortuna.org/) deu-me uma oportunidade de continuar a fazer aquilo que tanto gosto: cantar e tocar, enquanto me integrava numa família (sim, somos muito mais que um grupo de amigos).

Elegeria 99% dos momentos passados em Tuna como melhores: seja em preparação para os festivais com alguns ensaios extra de forma a estarmos a 100% para os mesmos, seja em saídas, seja em cidades (ou até países diferentes) ou até mesmo na organização do nosso Festival de Tunas Mistas – há sempre uma mística de entreajuda e amizade envolta em nós. Mesmo com alguns conflitos, aqui aprendi a “dar a volta por cima” e a desenvencilhar-me dos meus problemas de forma categórica! E no fim do dia tenho sempre esta grande família para me apoiar:

Captura de ecrã 2016-06-05, às 17_opt(1)

5. Para além de uma vida académica bastante preenchida, és também trabalhador estudante. Foi difícil para ti conciliares a parte académica com o trabalho e a tua vida pessoal? Como consegues fazê-lo?

RESPOSTA: Sim, ninguém pense que conciliar mil e uma coisas é fácil (a minha namorada que o confirme). Por mais “Time Management” que aprendamos e apliquemos no final resume-se tudo a um factor: a vontade de lutar e vencer que cada pessoa tem dentro de si!

É necessário uma resiliência e persistência acima da média para conseguirmos tirar boas notas, trabalhar mais de 20h por semana, divertirmo-nos (também precisamos) e nunca descurar do sono nem da saúde. No entanto, é possível! Friso aquilo que disse anteriormente: no final resume-se tudo à vontade de lutar de cada um de nós!

 

Relacionado: 6 cidades a visitar na Europa!

 

6. Para além de todas as actividades que já referimos, há mais algum projecto em que estejas envolvido actualmente ou que esperas estar no futuro?

RESPOSTA: Penso que não posso deixar passar esta entrevista sem falar do projecto mais ambicioso em que me encontro envolvido: StemCell2MAX (http://stemcell2max.com/) uma startup que vai completar um ano neste mês de Maio e apresenta uma solução inovadora que pode vir a salvar a vida de milhares de pessoas. É um orgulho estar aqui e é um orgulho ver que o ecossistema de startups portuguesas está de boa saúde e recomenda-se.

Apesar de não estar, à data, envolvido num projecto começado por mim mesmo, quem sabe aquilo que o futuro reserva…

7. Quais são os teus planos após o término da licenciatura?

RESPOSTA: Em Agosto ingressarei no Mestrado de Economia da Universidade de Tilburgo (TIAS Business School), Holanda. Terá a duração de um ano – o que farei a seguir? As hipóteses são infinitas e prefiro deixar tudo em aberto! Uma coisa é certa, estarei ao lado da rapariga que amo!

Captura de ecrã 2016-06-05, às 17_opt

 

Relacionado: as empresas ainda dão importância a quem faz Erasmus?

 

8. Por fim, tens algum conselho ou últimas palavras para deixar a jovens empreendedores que estão a iniciar o seu percurso académico?

RESPOSTA: Deixo uma lista muito versátil (aplica-se a quase todas as situações) de passos a fazer antes de tomar decisões que tanto me ajudou:

1º – Ouve. Ouve com atenção aquilo que se diz, que se fala, que se acha – quanto mais ouvires, mais bem informada será a tua decisão.

2º – Julga. Formula a tua própria opinião baseada em factos e não opiniões! Quanto mais formulares, mais bem fundamentada será a tua decisão.

3º – Faz. Sem receios, medos, vergonhas, limita-te a tomar a acção correspondente à tua decisão, que tão bem informada e fundamentada é.

DISCLAIMER: The articles featured on our platform were prepared or accomplished by students in their personal capacity. The opinions expressed in this article are the author’s own and do not reflect the view of UDUNI. UDUNI does not accept any responsibility or liability for the accuracy, content, completeness, legality, or reliability of the information contained in these articles. It is part of our mission to empower students, by providing them access to real testimonials and opinions, and we believe that is the reason why some of our articles may not please everyone.
Total Shares 62
  1. It is not Tias Business School but Tilburg University (or TiSEM)

Leave a Reply