Total Shares 194

Outline: Mais um relato de um estudante, desta vez do ISEG, sobre a sua experiência nesta faculdade da série #ilovemyuni! #iseg lisboa #uduni

 

O ISEG, ou oficialmente ISEG Lisbon School of Economics and Management (Talvez um nome mais pequeno para a próxima?), tem fama de ser a faculdade de economia mais antiga do país e de ter formado muita da velha guarda dos economistas e líderes empresariais do país.

É um reconhecimento merecido, que se pode ver nos encontros da associação de alumni, mas que se transforma na fonte dos problemas. E sem mais demoras há que dizer que o problema principal que, como aluno, encontro no ISEG, é o falhanço em acompanhar as mudanças dos tempos como algumas faculdades concorrentes têm feito ao longo das últimas décadas.

Relacionado: Técnico: a monstruosidade de que falam?

 

iseg lisboa

Aulas, Alunos e Professores

No ISEG dá-se tradicionalmente muita importância à investigação em detrimento do mercado de trabalho, filosofia que é visível na quantidade de papers que produz, e esta cultura interna afasta a generalidade dos professores mais ligados à realidade empresarial, com maior ligação à atualidade em favor de investigadores que por muito bons professores que possam ser, e existem muito bons professores no ISEG, não têm maneira de ligar os alunos ao mercado para o qual os estão a preparar e não promovem um ambiente de dinamismo que é absolutamente essencial à formação de excelentes profissionais. Também não investiu o suficiente na internacionalização. Não tem suficientes docentes internacionais e não investe em esforços de marketing no estrangeiro fora das ex-colónias portuguesas.

Este falhanço em acompanhar a evolução do ensino económico, que aliás também se pode ver na quantidade enorme de mestrados e pós graduações oferecidos, que não é a norma nos dias de hoje, e impede um investimento mais concentrado, levou a que a imagem da faculdade decaísse nas últimas décadas, a que não entrasse nos mais consultados rankings internacionais e a que deixasse de atrair os melhores alunos, no que se torna um ciclo vicioso porque eu acredito que os melhores alunos fazem a melhor faculdade e não o contrário!

 

Relacionado: opinião de um estudante sobre estudar na Católica!

 

E isso leva-me ao grande sintoma do decair da imagem da faculdade no passado que é a falta de alunos motivados, estudiosos e dinâmicos. É claro que o ISEG tem muitos destes alunos mas tem também tantos estudantes que estão cá só por estar que a imagem que passa do estudante típico do ISEG é negativa, o que mais uma vez contribui para o ciclo vicioso de desencorajar os melhores alunos a vir para o ISEG.

Mas é claro que nem tudo é mau. O ambiente da faculdade é espetacular, muito descontraído, amigável, não existe muita competição por apontamentos e notas e funciona como uma pequena comunidade em que a fofoca do dia se sabe logo. A tradição académica existe e recomenda-se e as festas são até demasiado de arromba! Quem já tentou pedir uma bebida no bar num Gordão do ISEG sabe do que estou a falar.

iseg lisboa

As estruturas dos cursos estão atualizadas e sólidas, com um ênfase um bocado maior em cadeiras práticas do que outras business schools, os serviços da faculdade são muito acessíveis e organizados e as aulas, apesar dos problemas que mencionei antes são em geral bem organizadas e lecionadas, embora existam exceções de professores que, com tanta review negativa que tenho a certeza que levam, só se devem aguentar por serem bons investigadores ou já fazerem parte da mobília.

Erasmus e concorrência

Quanto à parte internacional, pelo que sei o ISEG tem um grande número de estudantes brasileiros, cabo verdianos, angolanos e moçambicanos para além de um grande número de estudantes de intercâmbio Erasmus mas, por falta de investimento e não ser presença assídua nos tão famosos rankings internacionais não atrai outros estudantes internacionais em grande número. A relação com os estudantes das  ex-colónias portuguesas é normal e sem choques culturais, mas com os estudantes Erasmus é um pouco distante como costuma acontecer em todas as faculdades.

No ISEG não existe grande sentimento de concorrência com outras faculdades como existe a rivalidade entre Nova e Católica, por exemplo, mas é do conhecimento geral que, pelo menos em perceção, não estamos ainda ao nível destes dois ”campeões nacionais”. Talvez por estarmos isolados na zona de São Bento existe uma rivalidade um bocado absurda (talvez seja por usarem kilts nos trajes académicos) com a faculdade mais próxima, o IADE.

 

Relacionado: como é fazer Erasmus na Coreia do Sul!?

 

O Que Reserva o Futuro?

Apesar de tudo o que já está na balança, o mais positivo ponto da minha experiência no ISEG é poder ver claramente a mudança que está a decorrer na organização. Não é a construção do novo edifício ou a remodelação da secretaria mas a mudança de mentalidades. Talvez pela fusão com a ULisboa, parece que esta velha faculdade está finalmente a acordar, a tirar as teias de aranha (figurativas claro!) e a perceber que tem potencial para concorrer com as melhores do Mundo.

Esta evolução nota-se no novo dinamismo que se vê nos serviços e que se transmitiu aos alunos, ou talvez tenha sido ao contrário. Um departamento de Marketing do ISEG remodelado e a criação muito tardia de um departamento de Gestão de Carreiras, estando ambos a fazer um excelente trabalho como se viu na última feira de emprego, são sinais claros de mudança da filosofia interna. E este clima mais dinâmico extende-se à AE, que tem estado ativa nestes eventos, e às várias associações e sociedades de alunos, tendo em conta que nasceram pelo menos 3 novas associações nos últimos dois anos.

Em suma, o ISEG é uma faculdade que me dá o que se pode dizer que são mixed feelings. Mas mesmo entre os problemas que ainda tem e a evolução muito positiva que está a ter, é uma instituição com um encanto próprio. Levou-me a conhecer pessoas fantásticas, a aprender imenso, a desenvolver enormes capacidades e por isso tem sido uma experiência de que não me posso arrrepender de maneira nenhuma. Só a posso recomendar.

Would you like to share your testimonial as well? If yes, please send it to [email protected], either in Portuguese or English!

DISCLAIMER: The articles featured on our platform were prepared or accomplished by students in their personal capacity. The opinions expressed in this article are the author’s own and do not reflect the view of UDUNI. UDUNI does not accept any responsibility or liability for the accuracy, content, completeness, legality, or reliability of the information contained in these articles. It is part of our mission to empower students, by providing them access to real testimonials and opinions, and we believe that is the reason why some of our articles may not please everyone.
Total Shares 194
  1. Como antigo aluno faço minhas quase todas as suas palavras, e deixe-me dizer-lhe que a nível a mestrados a teimosia em esmiuçar cenários puramente académicos sem qualquer conexão com a realidade não melhora , também conheci pessoas fantásticas e amigos que mantenho até hoje.

    Contudo tendo realmente em conta que o essencial que é a formação que esta instituição presta , que não serve para formar empresários nem gestores, nem se quer funcionários de escritório, pois como disse e muito bem é uma faculdade que forma essencialmente académicos na área, e se ainda não se apercebeu, economia, gestão, finanças são mais filosofias do que propriamente ciências, e quando um académico da área tenta trata-las como tal dá buraco, (e basta apenas mencionar o exemplo de Victor Gaspar e do suas famosas previsões em modelos Excel) acho que não há necessidade de despender recursos a formar teóricos inúteis.
    Pelo que não recomendo a ninguém que inclua sequer esta faculdade nas suas opções de candidatura ao ensino superior.

    Acho até que como instituição de ensino deveria ser extinta e os seus quadros integrados em organismos mais dedicados à investigação Bdp , INE, etc………

Leave a Reply